Bandas

 
  Blur

Um dos nomes mais aclamados do ‘brit pop’ dos anos 90, o Blur continua influenciando toda uma geração de novas bandas vindas da Inglaterra. Inicialmente com o nome de Seymour, o grupo surgido em Colchester, formado pelos amigos de escola, Damon Albarn (vocal), Graham Coxon (guitarra e, na época, também saxofone), Dave Rowntree (batera) e Alex (baixo), fazia um punk nada convencional, chegando a ser classificado como “art-punk”, pelos críticos.
Assinam com a Food Records em 1989, adotando definitivamente o nome Blur. Após o grande sucesso dos ‘singles’ “She’s so High” e “There’s no Other Way”, preparam-se para o álbum de estréia. Com harmonias bem construídas e ritmos leves, “Leisure”, de 1991, atingiu a sétima posição das paradas inglesas.
Em 1993 sai o segundo trabalho, “Modern Life is Rubbish”, e chama a atenção dos críticos, em parte pelos arranjos de cordas e letras mais críticas que compunham as canções e em parte pela influência explícita de grupos consagrados como The Kinks e Beatles.
O álbum “Parklife”, de 94, foi um dos mais bem sucedidos do Blur, atingindo o topo das paradas. As composições estavam mais criativas do que nunca e eles podiam ser definidos como um grupo de Rock clássico soando moderno. Aproximadamente 15 anos depois de ter se dedicado apenas à guitarra no Blur, Graham voltou a tocar saxofone na faixa “Jubilee”. Faturaram ainda 4 prêmios no Brit Awards.
Em meio aos boatos e agressões verbais com o Oasis, lançaram seu maior sucesso comercial, “The Great Escape”, em 95, que também encabeçou a lista dos mais vendidos, ultrapassando a marca de 1 milhão de cópias no Reino Unido.
Após um pequeno período de silêncio, o Blur volta à cena com um álbum auto-intitulado, e muito mais pesado que os anteriores. O ‘hit’ “Song 2” foi o grande destaque desse trabalho e fez com que, finalmente, os Estados Unidos se rendessem ao talento de Damon e companhia.
O disco com faixas ao vivo, remixes e raridades, “Bustin’ + Dronin”, foi lançado em 1998 e, agora com um novo e maior público, convidam, em 99, o produtor Willian Orbit, que fez “Ray Of Light” da Madonna, para uma parceria, até então, inédita.
Batizado de “13” (thirteen), esse disco com Orbit foi bem recebido por todos os fãs e apesar de não ser o mesmo fenômeno dos anteriores, é uma prova de que o Blur já garantiu seu lugar na história do Rock. “Think Tank” veio em 2003 e foi o primeiro sem o guitarrista Graham Coxon, que abandonou o grupo depois de diversos atritos com Damon Albarn. O disco é mais experimental e dividiu os fãs do Blur, que não estavam acostumados com essa sonoridade vinda dos ingleses.
Depois do lançamento de “Think Tank” em 2003 a banda fez uma pausa em suas atividades. Os integrantes participaram de projetos paralelos nesse período - o mais conhecido é o grupo virtual Gorillaz do vocalista Damon Albarn que além dele é também encabeçado pelo cartunista Jamie Hewlett. Para 2007, os caras anunciam um novo álbum do Blur, que para a alegria dos fãs poderá ter Graham Coxon de volta às guitarras. Contudo, a banda nega a realização de futuras turnês, alegando que todos integrantes possuem filhos e isso seria incompatível com turnês, mas o anuncio de um novo trabalho mesmo sem turnês não deixa de sr uma boa notícia para quem curti o som do Blur, já que a banda esta inativa a mais de 3 anos, agora é esperar pra ver o que vem por aí!


RÁDIO UNIFEV FM
FREV - Fundação Rádio Educacional de Votuporanga

26/01/2007 - 17h39min