Bandas

 
  Mutantes

Diz a História A história dos Mutantes começou quando Arnaldo foi convidado para integrar a banda Woodfaces onde já tocava guitarra seu irmão e primogênito da família Dias Baptista, Cláudio César. Como a maioria dos conjuntos dos anos 60, fizeram muitas apresentações em festinhas, tocando um pouco de tudo. Um ano depois os Woodfaces terminaram, pois alguns de seus integrantes queriam tocar Bossa Nova, o que para Arnaldo e seu amigo Rafael era praticamente uma ofensa.  
Com o nome de O’Seis, a banda gravou um compacto, raríssimo. Com o fim do grupo, Arnaldo, Rita e Sérgio formaram os Mutantes, para acompanhar o cantor Ronnie Von em seu programa O Pequeno Mundo de Ronnie Von. O primeiro registro fonográfico do grupo foi a participação no compacto “Bom Dia”, de Nana Caymmi – através de quem conheceram Gilberto Gil, que viu no trio paulista o complemento que procurava para inscrever sua canção “Domingo no Parque” no Festival da TV Record de 1967.
O primeiro disco dos Mutantes, apresentava o trio fortemente influenciado pela psicodelia festiva dos Beatles e pelos gurus da tropicália, mas o segundo LP, homônimo, já revelava maior independência criativa, com criações próprias de sucesso, como “Dom Quixote”, “2001” ou “Caminhante Noturno”. Com a virada de década, o trio original foi acrescido do baterista Dinho e do baixista Liminha, ao mesmo tempo em que ganhava em coesão instrumental, caminhava para uma sonoridade menos debochada, mais próxima do rock progressivo.
Em 1973, Rita saiu dos Mutantes, sem espaço no meio da obsessão técnica da ala masculina da banda. Imediatamente começaram as gravações do novo disco, O A e O Z, fortemente influenciado por Mahanishvu Orchestra e Yes. A gravadora não se interessou por seu lançamento, considerado-o “anticomercial”, e dispensou os Mutantes de seu cast. Logo em seguida, Arnaldo saiu do grupo, seguido por Liminha e Dinho – este substituído por Ruy Motta. Sérgio assumiu o nome da banda e foi definitivamente para o rock progressivo.
Em 1978, Os Mutantes mantiveram formação instável, chegando a lançar dois LPs e o EP Cavaleiros Negros, e a se manter com razoável sucesso no cenário do rock brasileiro que se fazia nos anos 70.Em 2000 foi finalmente lançado o álbum inédito gravado em Paris em 1970, Tecnicolor, com capa pirada de Sean Lennon, fã confesso da banda.


RÁDIO UNIFEV FM
FREV - Fundação Rádio Educacional de Votuporanga

28/12/2005 - 11h52min