HOME
RADIO UNIFEV
TORPEDO
PROGRAMAÇÃO
BANDAS
INTERNOTAS
RÁDIO AO VIVO
ESTÁGIOS E EMPREGOS
CIBER UNIFEV
CONTATO
Ouvidoria

 
 

:: Pixies

O Pixies é sem dúvida alguma, uma das bandas mais originais e influentes que apareceram nos anos 80. O grupo resgatou o renascimento do circuito de Rock alternativo norte-americano. Com um som que mesclava elementos básicos do punk Rock, surf music, noisy guitar, passando mesmo pela suavidade da música pop, o Pixies fez história e ficará para sempre na memória daqueles que se achavam meio deslocados entre os hard Rock farofas que reinavam nos anos 80.
A banda foi formada em Boston, Massachusetts, no começo de 1986, por Charles Thompson, que depois mudaria seu nome para Black Francis, nos vocais e guitarra base, e seu companheiro de quarto na universidade Joey Santiago na guitarra base. Através de um anúncio nos classificados encontraram Kim Deal, uma baixista de Ohio. Pouco depois recrutaram o baterista David Lovering, amigo de Deal, e assim formaram os Pixies. Reza a lenda que o nome da banda foi tirado aleatoriamente do dicionário por Joey. O nome significa "fadas", "duendes".
Em 1986, os Pixies estavam tocando em Boston, num show onde o empresário, Gary Smith, que estava na platéia, gostou muito do som do Pixies, ofereceu-lhes a gravação de um disco. Em março de 1987, a banda grava então 17 músicas, isso em 3 dias!. Essa demo ficaria conhecida como "The Purple Tape", e acabau caindo nas mãos de Ivo Watts, um dos donos do selo inglês 4AD Records. Impressionado com o material, Watts contrata os Pixies e lança um EP chamado "Come On Pilgrim", que possui 8 das 17 faixas da demo original de "The Purple Tape".
No ano seguinte, a banda entra em estúdio para a gravação do seu primeiro LP, "Surfer Rosa" que foi lançado na primavera de 1988 e recebe ótimas críticas. A banda passa a ficar mais conhecida e acaba trocando de selo, indo para a Elektra Records.
Curiosidade nos dois primeiros álbuns dos Pixies: a baixista Kim Deal assinava seu nome como Mrs. John Murphy. Inclusive, a única música composta por ela em todo repertório do álbum "Sufer Rosa", "Gigantic", é assinada por Murphy. Kim Deal só usaria seu próprio nome a partir do disco "Doolittle".
No final de 1988, a banda volta ao estúdio. Dessa vez, o produtor escolhido foi o Inglês Gil Norton. O disco "Doolitle" é lançado na primavera de 1989, e é, certamente, o melhor da banda, além de ser um dos melhores discos de Rock alternativo de todos os tempos. Puxado pelo forte apelo comercial de "Monkey Gone to Heaven" e "Here Comes Your Man", o disco faz bastante sucesso e acaba indo parar no Top 10 inglês. Importante frisar que, apesar de algumas músicas mais comerciais, o som da banda continuava o mesmo: músicas simples e curtas, excelentes melodias e sonoridades inusitadas, como a nítida influência latina em várias canções.
A turnê "Sex and Death" é muito bem sucedida, principalmente na Europa. As apresentações ao vivo da banda eram marcadas pela performance de Black Francis, que quase nunca se dirigia a platéia. Deixando que a baixista Kim Deal apresentasse as canções e divertisse o público.
A banda também ficou conhecida por algumas extravagâncias como, por exemplo, tocar o set list dos seus shows em ordem alfabética. E claro, pela extravagância maior do próprio Black Francis.
Em 1989, a banda resolve dar um tempo e alguns dos integrantes resolvem levar adiante alguns projetos paralelos. Kim Deal, ao lado de outros musicos ressuscita o The Breeders e lança o álbum "Pod" em 1990, pelo ex-selo do Pixies, o 4AD Records. Black Francis parte para uma pequena turnê solo.  Ainda neste ano, a banda volta a se reunir para a gravação de mais um disco, "Bossanova"  que foi lançado no final de 1990 e segue a mesma linha dos discos antecessores. Talvez a única diferença seja que esse álbum tenha uma influência maior de surf Rock. Ainda neste ano, o grupo é um dos headliners do Reading Festival, na Inglaterra.
Nessa época não dava mais para esconder que Black Francis e Kim Deal não se davam mais muito bem. No disco "Bossanova" a participação nos vocais de Kim Deal foi bastante reduzida. A baixista chegou a dizer publicamente que a banda estava no fim.
Apesar dos boatos de sua desintegração, a banda se junta uma vez mais para a gravação de um novo disco. O disco "Trompe Le Monde" é lançado em 1991, fazendo bastante sucesso. Dessa vez, as músicas possuem um acento mais hard-rock, sem deixar de lado a sonoridade que já era a marca registrada da banda. Muitos chegaram a dizer na época do lançamento que essa influência hard Rock vinha da presença de Ozzy Osbourne em um estúdio próximo. Novamente Deal é deixada de lado nas composições e nos vocais. O álbum trás também uma cover da banda inglesa Jesus and the Mary Chain, "Head On".
Depois de abrir os shows do U2 na turnê ZooTV, a banda resolve dar uma nova parada. Deal aproveita para gravar um EP com o The Breeders chamado "Saffari" e lançado na primavera de 1991. Em 1992, Francis dá uma entrevista a BBC dizendo que o Pixies tinha terminado. Os outros membros da banda ainda não sabiam disso, mas tampouco desmentiram o fato, provando que a relação entre Deal e Francis realmente não era mais suportável, Black Francis grava então grava outro trabalho solo.
Black Francis muda seu nome para Frank Black e começa então a sua carreira solo. Já lançou cinco discos, destacando-se "Teenager of the Year" de 1994 e "Cult of Ray" de 1996. Kim Deal gravou mais um álbum com o The Breeders chamado "Last Splash", lançado em 1993. O disco acabou se tornando muito bem sucedido comercialmente, e puxado pela música Cannonball chegou a ganhar disco de Platina nos EUA. O sucesso da banda de Kim Deal meio que ofuscou a carreira solo de Frank Black. Mas os problemas com drogas da irmã de Deal, Kelly, acabaram interrompendo a carreira da banda abruptamente, após o festival Lollapalooza de 1994.
Pouco tempo depois Kim Deal montou a banda The Amps, que também teve vida curta e lançou apenas um disco, "Pacer", em 1995. Já o guitarrista Joey Santiago, depois de participar dos primeiros álbuns solos do Frank Black, formou em 1997 o conjunto The Martinis, cujo único registro pode ser ouvido na trilha sonora do filme "Empire Records".
Mesmo com a banda desfeita, foram lançados dois álbuns: "Death to the Pixies" em 1997, é uma coletânea dupla, sendo um CD de maiores sucessos, e o segundo um disco ao vivo. "Pixies at the BBC" de 1998 é ao vivo e traz material tirado das apresentações da banda nos famosos estúdios da BBC, em Londres.
Neste ano Black Francis e Kim Deal decidiram reviver os bons tempos do Pixies, a banda voltou a ativa e já se apresentaram 17 vezes. A primeira aparição aconteceu no Fine Line Music Café, em Minneapolis, nos Estados Unidos, dia 13 de abril. Eles deram as caras também em terras tupniquins e se apresentaram no festival brasileiro Curitiba Pop Festival, dia 05 de maio. Destes 17 shows, 16 foram gravados em CDs duplos e vendidos para o público logo após o show, com tiragem de mil cópias. Apenas o show do Brasil não foi 'vendido' e o show do Festival Coachella teve uma tiragem superior, de duas mil cópias.  Esse modo de venda instantânea facilitou a chegada do material na Internet. Os principais sites de troca de arquivos já trazem praticamente todos os shows de retorno do Pixies, com direito a cópia da arte das capas do CD original e excelente qualidade de som. Inédito, mesmo, só o show que a banda fez no Brasil.
O mais interessante, porém, é que ficou possível compilar as canções deste retorno do Pixies. A banda ensaiou cerca de 40 músicas para a turnê de retorno, que deverá render uma CD e um DVD. Destas 40 músicas, nos 17 primeiros shows (no Canadá, Estados Unidos e Brasil) apenas 38 canções foram tocadas. Em média, um show do Pixies conta com um set list de 24 canções. Neste retorno, apenas em Pomona, na Califórnia, a banda tocou 20 canções. Na contra-mão, em Spoklane, no Estado de Washington, décima parada da turnê, a turma estava inspirada e deu ao público 29 músicas. O Brasil vem logo abaixo, com 28 petardos pixianos.
A turnê segue e desta vez na Europa. A banda fez seu primeiro show no velho mundo na Islândia, nesta quarta dia 26. Ontem eles tocaram em Barcelona e hoje eles tocam em Madri na Espanha.
Até o final da turnê, marcado para 04 de dezembro, na Filadélfia, Estados Unidos, a banda terá se apresentado 74 vezes. Ou seja, só faltam 54 shows - dois destes no Japão e dois no festival itinerante Lollapalooza. Black Francis, Joey Santiago, David Lovering e Kim Deal ainda têm muitas músicas pela frente.


Rádio UNIFEV FM - Esta Rádio Pega!!!
28/05/2004 - 15h22min
imprimir
 
 
  3 Doors Down
  AC/DC
  Aerosmith
  Alanis Morissette
  Alice in Chains
  Angra
  Arnaldo Baptista
  Audioslave
  Avril Lavigne
  B-52’s
  Barão Vermelho
  Biquíni Cavadão
  Black Sabbath
  Blink-182
  Blur
  Bob Dylan
  Bruce Springsteen
  Camisa de Vênus
  Capital Inicial
  Charlie Brown Jr.
  Chico Science e Nação Zumbi
  Coldplay
  CPM 22
  Detonautas Rock Clube
  Dire Straits
  Duran Duran
  Eminem
  Evanescence
  Faith No More
  Foo Fighters
  Green Day
  Guns n' Roses
  Heart
  Information Society
  Ira!
  Jack Johnson
  Jota Quest
  Kiss
  Legião Urbana
  Linkin Park
  Los Hermanos
  Magazine
  Metallica
  Midnight Oil
  Mutantes
  Nando Reis
  Nirvana
  O Rappa
  Oasis
  Patu Fu
  Pearl Jam
  Pink Flyd
  Pitty
  Pixies
  Plebe Rude
  R.E.M
  Raimundos
  Ramones
  Raul Seixas
  Red Hot Chili Peppers
  Rush
  Siouxsie And The Banshees
  Skank
  Skid Row
  System of a Down
  Talking Heads
  The Beatle
  The Clash
  The Cure
  The Deep Purple
  The Doors
  The Police
  The Smashing Pumpkins
  Tihuana
  Tina Turner
  U2
  Ultraje a Rigor

RÁDIO UNIFEV FM - Fundação Rádio Educacional de Votuporangas
Rua Pernambuco, 4196 - (17) 3405 9996 - CEP 15500-006